Casa João de Melo – Livro do Mês

Maio 2022

“Aparição” 

vergilio ferreira aparicao

Vergílio Ferreira, 1959

 

Sinopse

 “Publicado em 1959, Aparição, de Vergílio Ferreira, é uma das obras mais emblemáticas do romance português do século XX – e um momento decisivo no percurso literário e filosófico do autor, personificado, de alguma maneira, pelo encontro entre Alberto e Cristina, dois personagens: «o milagre de uma aparição», «súbita aparição, foste surpresa em tudo para todos». Em Aparição, o que está em jogo é o destino e a insatisfação diante do visível, ou seja, toda a nossa condição humana. Um romance inesquecível que atravessa o tempo e fixa as inquietações que nunca cessam.”

Bertrand Editorial

 

Abril 2022

“Cronicando”

Cronicando Mia Couto

Mia Couto, 2007

Sinopse

“Neste livro se reúnem crónicas com que o escritor moçambicano Mia Couto colaborou com a imprensa de Moçambique durante os dois últimos anos da década de 80. Este conjunto de textos mereceu o Prémio Anual de Jornalismo Areosa Pena, atribuído pela Organização dos Jornalistas Moçambicanos em 1989.

Mais do que crónicas estes textos são pequenos contos condensados de forma a se enquadrarem no espaço dos jornais a que se destinavam. Aos textos inseridos nos jornais de Moçambique, o autor acrescentou outros inéditos. Uns e outros estão profundamente marcados pela arte de recriar a língua portuguesa que caracteriza toda a escrita deste autor africano.”

Editorial Caminho

 

 

 

Março 2022

“O Plano Infinito”

o plano infinito isabel allende

Isabel Allende

Sinopse

“Explorando pela primeira vez uma realidade distante do mundo sul-americano que lhe é tão familiar, Isabel Allende conduz-nos até à Califórnia da segunda metade do século XX, seguindo os passos de duas famílias: a do pregador Reeves que percorre o Oeste num velho camião, anunciando um Plano Infinito que justifica a existência humana; e a dos Morales, imigrantes mexicanos que vivem num bairro hispânico marcado pela violência.

Gregory Reeves, a personagem central do livro, cresce à sombra da pobreza e da negligência. Quando decide que o futuro só pode estar longe do bairro hispânico onde vive, e onde não passa de um gringo, parte em busca de algo melhor. O plano de que o seu pai tanto falava parece ser mais real do que Gregory gostaria de acreditar, e tudo acontece como se o destino estivesse traçado, sem que ele consiga evitar a sucessão de más decisões que afetam a sua vida.

Depois de um casamento falhado, da guerra do Vietname, da dor de perder um amigo e ver morrer tanta gente, Gregory regressa ao seu passado, sem aprender nada com os erros cometidos. Só mais tarde, quando é obrigado a enfrentar a realidade, começa a perceber que o seu destino depende apenas de si mesmo, e que o Plano Infinito pode afinal ainda estar em aberto.”

Porto Editora

 

 

Fevereiro 2022

 

“O Meu Mundo Não é Deste Reino”

o meu mundo não é deste reino

João de Melo, 1983

Sinopse

“Esta narrativa de João de Melo é uma crónica dos prodígios que fazem a história de uma comunidade rural perdida algures nos Açores. Narrativa mítica, sem cronologia, que começa in illo tempore (em português arcaizante) e prossegue seguindo o fio das ocorrências fantásticas (a chuva dos noventa e nove dias, o dia em que os animais choraram, o dia em que se viu a outra face do sol, a morte e ressurreição de João Lázaro) e das vidas de personagens excessivos e arquetípicos (um padre venal, um regedor hercúleo e despótico, um curandeiro e um santo) que povoam um lugar perdido nas brumas do tempo, no outro lado da ilha, progressivamente devolvido à comunicação com o mundo.”

 

Devemos a João de Melo um dos mais belos livros dos anos 80, O Meu Mundo Não é Deste Reino, onde se cruzam com uma desenvoltura e uma violência raras na ficção romanesca nossa contemporânea, grandes e pequenos sentimentos, uma ordenação do mundo a partir de um imaginário ilhéu, amoroso, romântico a religioso.

Francisco José Viegas, in: Revista Ler, janeiro de 1989

 

 

Janeiro 2022

Poesia (1935 1940) Vitorino Nemésio

“Poesia (1935-1940)” – Vitorino Nemésio  

Vitorino Nemésio, nascido na ilha Terceira, é um dos mais aclamados escritores açorianos e uma referência notável na literatura nacional do século XX. Foi escritor, poeta e professor. Em 1944 concluiu o célebre romance “Mau Tempo no Canal“, que chegou a ser comparado aos maiores romances portugueses. No campo da poesia, as vivências insulares também não são esquecidas, num estilo independente muito próprio.

 

“Eu gostava de ter um alto destino de poeta,
Daqueles cuja tristeza agrava os adolescentes
E as raparigas que os leem quando eles já são tão leves
que passam a tarde numa estrela,
A força do calor na bica de uma fonte
E a noite no mar ou no risco dos pirilampos.”

 

Comece o ano de 2022 a ler o livro “Poesia (1935-1940)” e deixe-se envolver pelo mundo fantástico que Vitorino Nemésio descreve.

 

 

Dezembro 2021 

o pequeno livro dos medos“O Pequeno Livro dos Medos” – Sérgio Godinho, 2000  

Sinopse

“O que é o Medo? Podemos encontrar a definição num dicionário, mas será que ela nos vai satisfazer realmente? É então que surgem, encadeados nesta narrativa, os diferentes medos através dos quais vamos percebendo o tal “sentimento desagradável que excita em nós aquilo que parece perigoso, ameaçador, sobrenatural”, e que pode ter a cara de um leão, de uma cobra ou mesmo do desconhecido. No fim, percebemos que esse medo é natural e todos o sentem, mas ele é só um obstáculo que temos que ultrapassar para conhecer o que está para lá dele…”

 

 

 

Novembro de 2021

Ensaio sobre a cegueira

Ensaio Sobre a Cegueira” – José Saramago, 1995

Sinopse

“Um homem fica cego, inexplicavelmente, quando se encontra no seu carro no meio do trânsito. A cegueira alastra como «um rastilho de pólvora». Uma cegueira coletiva.
Romance contundente. Saramago a ver mais longe. Personagens sem nome. Um mundo com as contradições da espécie humana. Não se situa em nenhum tempo específico. É um tempo que pode ser ontem, hoje ou amanhã. As ideias a virem ao de cima, sempre na escrita de Saramago. A alegoria. O poder da palavra a abrir os olhos, face ao risco de uma situação terminal generalizada. A arte da escrita ao serviço da preocupação cívica.”

Caligrafia da capa por Chico Buarque

Outubro 2021

Livro do mês Out2021

Livro de Vozes e Sombras” – João de Melo – edição de 2020 D. Quixote

Sinopse

“Cláudia Lourenço, jornalista, é enviada de Lisboa à ilha de São Miguel ao serviço do Quotidiano. Tem por missão entrevistar um conhecido ex-operacional da Frente de Libertação dos Açores e reaver a crónica do independentismo insular durante a Revolução. Depara-se-lhe um homem-‑mistério, voz e sombra do jogador, das suas verdades que mentem, das suas mentiras que dizem a verdade.

Ela, que pertence à «geração seguinte», não parece ter memória histórica do país de então: vive no de agora, e o passado é um território longínquo, cuja narração flui no interior de um imaginário algo obscuro. A história da FLA (e a da FLAMA, na Madeira) comporta em si o «país de todos os regressos»: a Ditadura, o fim das guerras em África, a descolonização e o «retorno» à casa europeia pelos caminhos de volta, os mesmos que levaram as naus a perder-se nos mares da partida. O país que a si mesmo se descoloniza vibra na exaltação revolucionária. E é dos avanços e recuos dessa Revolução que nasce a tentação separatista do arquipélago.

Na longa e secreta entrevista ao homem da FLA, a jornalista vê-se enredada numa história de logros políticos, compadrios, interesses de propriedade, conluios estrangeiros e outros equívocos do movimento separatista, onde não há lugar para as vítimas da FLA, nem para o desamparo dos «regressantes» de África. Mas Cláudia Lourenço encontrará maneira de lhes dar voz.”