Açoriano Oriental_30 outubro 2018_PS vota contra o Plano e Orçamento da Câmara do Nordeste

Ao abrigo do Direito de Resposta, a Câmara Municipal do Nordeste publicou o esclarecimento que se segue na edição de hoje, 7 de novembro, do jornal Açoriano Oriental, na sequência de notícia publicada neste jornal no dia 30 de outubro do corrente, com o título “PS vota contra o Plano e Orçamento da Câmara do Nordeste”, e para a qual não foi solicitada nem tida em conta a opinião do executivo da câmara relativamente às acusações feitas pelos referidos vereadores.

 

1- A Câmara Municipal do Nordeste rejeita e repudia os argumentos usados pelos vereadores do PS para não aprovar o Plano e Orçamento do município para 2019, não tendo os mesmos qualquer consistência.

2- Os vereadores do PS acusam o atual executivo de “falta de ambição ou projeção futura” relativamente à utilização dos fundos comunitários, quando os próprios elaboraram projetos que nem sequer chegaram a ser candidatados, tendo o desnorte sido de tal ordem que um dos projetos, a “Casa do Conhecimento” (referida no seu comunicado) foi projetado para um terreno expropriado para a edificação do novo Palácio da Justiça de Nordeste.

De tanto projeto e intenção, durante o seu mandato na autarquia, os vereadores do PS conseguiram, ao abrigo do PO 2020 que teve início em 2014, unicamente lançar a execução do pavilhão polivalente da EBJI de Nordeste, o qual só foi concluído pela atual câmara.

3- Quanto à “falta de projeção futura” de que atacam esta câmara municipal, os vereadores do PS andam distraídos ou querem fazer crer o que não é.
O Nordeste tem candidatados aos fundos comunitários cerca de 2 milhões de euros, como oportunamente já foi anunciado, os quais se destinam a obras de saneamento básico e ao melhoramento da rede de abastecimento de água, estando a autarquia apenas a aguardar o visto do Tribunal de Contas para avançar com as mesmas.

4- Os vereadores do PS acusam ainda o atual executivo de privilegiar “a preparação de festas e fogos-de-artifício”, talvez desconfortáveis com o sucesso que os mesmos têm alcançado, com impacto na receita do comércio local, como é objetivo do município, e que têm colmatado uma falha cultural que se notava nos últimos anos no concelho do Nordeste.

5- Os vereadores do PS voltam a apregoar a redução significativa da dívida que o seu executivo conseguiu nos seus quatro anos de mandato, a qual além de falsa é repudiável porque quer fazer crer aos nordestenses aquilo que não é.
A dívida amortizada pelo executivo socialista foi de cerca de 4 milhões e 700 mil euros, e não de 10 milhões de euros como se farta de apregoar.
Se formos para a dívida consolidada do município, onde estão incluídas as empresas municipais, a amortização global situou-se em cerca de 6 milhões e 700 mil euros, sendo a mesma beneficiada pela venda do bairro social da freguesia da Salga ao Governo Regional.
Ao fim e ao cabo, as amortizações da dívida realizadas pelo anterior executivo foram aquelas que estavam previstas no Plano de Reequilíbrio Financeiro.

6- Ao contrário dos vereadores do PS, este executivo municipal congratula-se com as Grandes Opções do Plano e Orçamento para o próximo ano, tendo este, inclusive, recebido parecer positivo da Direção Executiva do FAM assim como a aprovação unânime do Conselho Municipal de Juventude.
 
Edição 30 outubro Açoriano Oriental