A Assembleia Municipal do Nordeste, em reunião ordinária de 12 de dezembro do corrente, aprovou, por maioria, com 15 a favor, 7 abstenções e 1 voto contra, o parecer técnico elaborado pelo arboricultor Pedro Ginja, o qual surge na sequência da realização dos trabalhos constantes da proposta de avaliação fitossanitária e biomecânica da palmeira localizada na Rua da Palmeira, na Vila de Nordeste.

Na sequência desta deliberação, a Assembleia Municipal do Nordeste recomendou que fosse realizada uma sessão de esclarecimento à população, no sentido de dissipar algumas dúvidas que pudessem existir relativamente à salubridade da palmeira.

A câmara Municipal do Nordeste, que aprovou a 19 de novembro de 2018 o parecer técnico, com 3 votos a favor e 2 abstenções, acatou a recomendação da Assembleia e apresentou-o aos nordestenses, nesta quinta-feira, 31 de janeiro, o qual avalia a palmeira como sendo um exemplar notável.

Uma vez que não foram encontrados defeitos significativos e que a mesma se encontra em bom estado sanitário e biomecânico, desde que devidamente mantida, o parecer do técnico vai no sentido da preservação de um ícone do património natural, cultural e paisagístico do Nordeste que poderá perdurar por muitos anos. Nesse sentido, foram indicados alguns conselhos de manutenção e monitorização que devem ser colocados em prática pela câmara.

A palmeira apresenta risco baixo, contudo, no sentido de eliminar os receios dos vizinhos de serem atingidos com palmas ou infrutescências, a avaliação entende que deve ser colocado um sistema de retenção como medida mitigadora. Este reforçará ainda mais as condições de segurança, pois será reduzida substancialmente, ou mesmo eliminada, qualquer eventualidade de queda.

A possibilidade de abate da palmeira sugerida por algumas opiniões, acrescenta o parecer, não tem justificação técnica, pois, como é demonstrado, o espécimen não representa perigo significativo e o risco é reduzido, e, caso se optasse por esta solução, “estaríamos a depauperar o património natural e cultural comum do imaginário das gentes do Nordeste”, aponta.

Na sessão pública de esclarecimento, foi salientado o parecer emitido pela Proteção Civil, no qual esta entidade diz não possuir competência técnica para avaliar a espécie em questão.
 

Parecer Técnico Avaliação Fitossanitária e Biomecânica Palmeira