Segunda atividade económica do Nordeste deve passar pelo turismo
Segunda atividade económica do Nordeste deve passar pelo turismo
Publicado em 2 Dezembro, 2014

Na conferência levada a cabo pela Câmara do Nordeste sobre o sector do turismo no Nordeste, Carlos Mendonça, responsável autárquico do concelho, assumiu o sector como atividade económica de elevada importância para o desenvolvimento do Nordeste, dizendo que o setor do turismo tem de se assumir, nos próximos anos, como a segunda principal atividade económica do concelho.

Carlos Mendonça falou de um turismo que se quer sustentável para o concelho do Nordeste, como sendo “aquele que pretende responder às necessidades dos turistas que nos visitam e ao mesmo tempo satisfaz as necessidades económicas, sociais e ambientais sem desprezar a manutenção da integridade cultural”, disse. Falou dos efeitos da exploração do sector em várias áreas, nomeadamente, no desenvolvimento da economia local, ao gerar riqueza e promover a dinâmica de outras áreas como o alojamento, a restauração, transportes e comércio; na promoção do bem-estar das populações através da criação de emprego e consequente aumento da qualidade de vida das famílias, e na valorização do património natural, histórico e cultural através da sua preservação e divulgação.

O autarca salientou a paisagem, a cultura, os locais históricos e os monumentos do Nordeste, o ambiente hospitaleiro, a gastronomia de qualidade e os percursos pedestres como aspetos importantes e demonstrativos da potencialidade do Nordeste para o turismo, trazendo daí importantes receitas para o concelho.

A câmara têm-se mostrado interessada em ser parceira dos empresários e empreendedores do Nordeste no sentido da promoção do turismo local, como é o caso da recente divulgação do Sistema de Incentivos para o Urbanismo Sustentável Integrado.

A criação da Associação Para o Desenvolvimento Local de Nordeste (ADN), neste momento a receber inscrições de associados, e da Incubadora de Empresas do Nordeste, em parceria com a SDEA (Sociedade para Desenvolvimento Empresarial para os Açores) e Vice-Presidência do Governo Regional, a iniciar já em dezembro, foram outras ações referidas por Carlos Mendonça no debate.

O presidente da câmara do Nordeste falou de outras ações concretas que pretende para o sector e que passam por uma melhor oferta hoteleira, aumentando o número de quartos no turismo rural e se possível no agroturismo; por melhorar a qualidade da Hospedaria São Jorge e o serviço do Parque de Campismo da Feira; melhorar a restauração, a qualidade e o serviço de guias turísticos e de guias intérpretes, e reabilitar e melhorar a acessibilidade à Foz da Ribeira do Guilherme, zona balnear do concelho, com o apoio do Governo Regional.

Por último, o autarca lançou o repto aos empresários e a todo o sector do turismo para que saibam tirar proveito “da mais-valia que o Governo Regional nos deu: a proximidade dos grandes centros urbanos, melhores acessibilidades e maior segurança e conforto para chegar ao Nordeste”.

A reflexão sobre turismo contou com a participação do secretário regional do Turismo e Transporte, Vítor Fraga, do presidente da Câmara Municipal de São Vicente, da ilha da Madeira, e do jornalista do Diário de Notícias da Madeira, Ricardo Oliveira, além dos testemunhos de Luísa Valério, do empreendimento turístico das Furnas, Quinta da Mó, e de Ana Rita Aragão, representante de um grupo de jovens do Nordeste que lançou recentemente o projeto de turismo de experiências Quinta da Lazeira. A SPEA também se associou à reflexão com uma exposição sobre turismo sustentável nasTerras do Priolo.